Banner
OK

Equipe Proanpec

1. Nas questões de verdadeiro ou falso, como um item errado anula um item certo, é melhor, nestas questões, deixar em branco os itens em que não tenha segurança, do que "chutar" a resposta.

2. Se não tiver tempo suficiente para estudar toda a matéria, é melhor aprofundar-se nos assuntos que são solicitados com mais frequência. O tempo que terá que dispor para estudar temas relativamente complexos, será mais bem aproveitado se firmar-se nos tópicos que costumam ser solicitados com mais frequência. Lembrando que um item errado anula um item certo, é melhor concentrar-se nos temas principais, do que estudar superficialmente todos os assuntos.

3. Recomenda-se estudar Matemática a partir de livros que apresentam exercícios aplicados de economia, como SIMON & BLUME, ou CHIANG (ver bibliografia adiante). Ou seja, ao mesmo tempo em que está estudando Matemática, também está iniciando a preparação em Micro e Macroeconomia, pois a prova nessas disciplinas apresenta muitas questões que dependem de resolução matemática.

4. Se você não for economista, pode ser útil ler inicialmente VASCONCELLOS, M. A. S. - Economia - Micro e Macro, Editora Atlas, 4ª edição, 2007, para uma síntese formalizada de Macro e Microeconomia básica, principalmente as partes de Elasticidades, Estruturas de Mercado, Contas Nacionais, Determinação da Renda Nacional, Análise IS-LM e Balanço de Pagamentos. O livro contém questões retiradas de concursos públicos (Banco Central, Auditor Fiscal da Receita Federal, Fiscal ICMS), que podem ajudar, numa primeira etapa, a preparação para o exame ANPEC.

5. A prova de Economia Brasileira envolve duas provas: uma delas, no perfil V ou F e outra, dissertativa, em que o candidato deve selecionar e responder uma entre cinco questões. Muitas escolas atribuem peso zero à prova dissertativa e algumas atribuem peso zero para ambas (ou seja, Economia Brasileira tem peso zero). Nesse sentido, a menos que o candidato disponha de muito tempo para estudo, e lembrando que será escolhido um entre cinco temas apresentados, talvez seja mais adequada a leitura de textos mais concisos, preferencialmente coletâneas de artigos, que indicamos na bibliografia, do que estudar profundamente teses e compêndios clássicos.

6. A Diretoria da ANPEC muda a cada dois anos. Embora raro, nessas ocasiões podem ocorrer algumas alterações no Programa. Nesse sentido, é útil manter-se informado sobre essa possibilidade, contatando os Centros de seu interesse, ou consultando periodicamente a página da ANPEC na Internet (abaixo).

7. O manual da prova da ANPEC é divulgado, em geral, no meio do ano. Convém estudá-lo assim que for divulgado.

8. A página da ANPEC na Internet apresenta as questões e gabaritos das provas desde 1990. Consulte o site da ANPEC: www.anpec.org.br

BIBLIOGRAFIA
(Recomendada pela Equipe Proanpec. Nem todas constam da bibliografia oficial da ANPEC)

MATEMÁTICA

  1. BOLDRINI, J. et al. Álgebra Linear, 3ª edição, Harbra, 1986. Para a parte de Álgebra Linear, é o livro recomendado na bibliografia oficial do exame.
  1. BOULOS, P. Geometria Analítica: Um Tratamento Vetorial. Prentice Hall, 2005

3) BRAGA, M.B., ORELLANO, V. e KANNEBLEY, S. Matemática, Editora Atlas, 2002. Baseado no programa da ANPEC, e na experiência dos autores como professores do Curso Preparatório ProAnpec.

4) CHIANG, A. e WAINWRIGHT, K. - Matemática para Economistas, Campus, 2006, Ficou um pouco abaixo do nível do exame, mas, como SIMON e BLUME, tem a vantagem de apresentar exercícios aplicados, que podem ser úteis também para as provas de Macro e Microeconomia.

5) GUIDORIZZI, H. - Um Curso de Cálculo - (volumes I a IV), 5ª edição, LTC Editora, 2001. Completo para a parte de Cálculo. Praticamente todo o volume I, e alguns tópicos dos outros volumes.

6) LIPSCHUTZ, S. Algebra Linear, Bookman, 2004. Bom para Álgebra Linear

7) SIMON, C.P. e BLUME. L. – Matemática para Economistas – Bookman, 2004. Muitos exercícios aplicados. Para não economistas, tem a vantagem de apresentar muitos exercícios de Micro e Macroeconomia, na linha do exame da Anpec.

ESTATÍSTICA

1) BUSSAB, W. e MORETTIN, P. - Estatística Básica, 6ª edição, Editora Saraiva, 2010.

2) GUJARATI, D. Econometria Básica, 5ª. McGraw-Hill, 2011

3) HILL, C. GRIFFITHS, W. & JUDGE, G. - Econometria, São Paulo, Editora Saraiva, 2003.

4) HOFFMANN, R - Estatística para Economistas, Editora Atlas. Principalmente para Estatística Básica.

5) SARTORIS, A - Estatística e Introdução à Econometria, 2ª edição, Editora Saraiva, 2013. Baseado no programa da ANPEC, e na experiência do autor como professor do Curso Preparatório ProAnpec. Cobre Estatística Básica, Números Índices e apresenta alguns capítulos introdutórios de Econometria.

6) STOCK, J. e WATSON, M., Econometria, Addison-Wesley, 2004

7) MADDALA, G.S. Introdução à Econometria, 3ª edição, LTC Editora, 2003. Texto didático.

8) VASCONCELLOS, M. A. S. e ALVES, D. (org.) - Manual de Econometria - Equipe de Professores da USP, Editora Atlas, 1999. Útil para a parte de Séries de Tempo.

9) WOOLDRIDGE, J. Introdução à Econometria, Thomson Pioneira, 2006. Outro bom texto para Econometria.

MICROECONOMIA

1) FIANI, R.,Teoria dos Jogos, 3ª edição, Elsevier, 2009. Livro bem didático que cobre todos os assuntos de Teoria dos Jogos da ANPEC

2) GIBBONS, R. Game Theory for applied economists. Princeton University Press, 1992, caps. 1 e 2. Leitura complementar sobre Teoria dos Jogos

3) NICHOLSON, W., Microeconomic Theory, 9th Edition, Thomson, 2005. Emprega mais cálculo que o Varian e o Pindyck. Por essa razão, constitui uma leitura mais avançada. As partes 2 e 3 desse livro são excelentes complementos para Teoria do Consumidor e Teoria da Firma

4) PINDYCK, R. S e RUBINFELD, D. L. - Microeconomia, 6ª edição, Pearson, 2005. Bem didático, com várias aplicações práticas - se bem que na prova da ANPEC são solicitadas mais questões teóricas.

5) VARIAN, H. - Microeconomia - Princípios Básicos, 7ª.edição, Editora Campus. Mesma linha do Pindyck

6) VASCONCELLOS, M. A. S., OLIVEIRA, R. G.e BARBIERI, F. - Microeconomia, 3 ª edição, Editora Atlas, 2011. Publicação bastante dirigida para a prova da ANPEC, baseada na experiência dos autores como professores do Curso Preparatório ProAnpec. Inclui questões de exames anteriores.

MACROECONOMIA

1) MANKIW, N. G. - Macroeconomia, 6ª Edição, LTC Editora, 2008. Muito didático, e adequado para ANPEC. Ao lado do Manual de Macroeconomia da Equipe de Professores da USP, é o livro básico utilizado no Curso Preparatório ProAnpec.

2) LOPES, L. M., e VASCONCELLOS, M. A. S. - Manual de Macroeconomia–Equipe de Professores da USP, 3ª edição, Editora Atlas, 2008. Publicação bastante dirigida para a prova da ANPEC (com exceção da Parte IV, mais avançada), baseada na experiência dos autores como professores do Curso Preparatório ProAnpec, incluindo questões de provas anteriores.

3) DORNBUSH, R.; FISCHER, S. e STARTZ, R. - Macroeconomia. 10ª edição, McGraw-Hill do Brasil, 2008. Muito boa exposição do modelo IS-LM.

4) FROYEN, R. T. - Macroeconomia, 10ª edição, Editora Saraiva, 2008. Didático, mas incompleto para o nível do Exame da ANPEC.

5) JONES, C. E. - Introdução à Teoria do Crescimento Econômico, Campus, 2000. Fundamental para a parte de crescimento econômico.

6) PAULANI, L. M. e BRAGA, M. B – A Nova Contabilidade Social, 4ª edição, Editora Saraiva, 2013. Atualizado no que se refere à nova estrutura das Contas Nacionais, do Balanço de Pagamentos e do Sistema Monetário, temas solicitados em todas as provas de Macroeconomia no exame, e que sofreram modificações relativamente recentes.

7) SIMONSEN, M. H. e CYSNE, R. P. - Macroeconomia, 4ª edição, Editora Atlas, 2009. É um clássico, principalmente os três primeiros Capítulos (Sistema Monetário, Balanço de Pagamentos e Contas Nacionais), embora já bastante desatualizados. Os demais capítulos são relativamente avançados para o exame da ANPEC.

8) BLANCHARD, O. J. - Macroeconomia: teoria e política econômica. 4ª edição, Pearson, 2006 -

ECONOMIA BRASILEIRA

1) ABREU, M. P.(org.) - A Ordem do Progresso: 100 anos de Política Econômica na República, Ed. Campus, 1990. É um livro relativamente completo, com a restrição de cobrir apenas até anos 80. Reflete basicamente a posição da PUC - RJ.

2) BAER, W. A industrialização e o Desenvolvimento econômico no Brasil. Rio de Janeiro, FGV, 1985.

3) BASTOS, P.P. e FONSECA, P.C.D. (orgs.) A Era Vargas: Desenvolvimento, Economia e Sociedade. S. Paulo, UNESP, 2012

4) BAUMANN, R (org.) O Brasil e a Economia Global. Rio de Janeiro, Campus, 1996.

5) BELLUZO, L. G. e COUTINHO, L. (org.) - Desenvolvimento Capitalista no Brasil, São Paulo, Editora Brasiliense, 1982 (dois volumes). Leitura obrigatória para quem quer fazer mestrado em escolas com ênfase em economia política.

6) BONELLI, R. (org.) Ensaios sobre Política Econômica e Industrialização no Brasil. Rio de Janeiro. SENAI, 1996

7) CARDOSO, Jr. J.C. (org.) A Reinvenção do Planejamento Governamental no Brasil. Brasília, IPEA, 2011.

8) CANO, W. Desequilíbrios regionais e concentração industrial no Brasil: 1930-1995, 2ª ed., Campinas, UNICAMP, 1998. Leitura obrigatória para quem quer fazer mestrado em escolas com ênfase em economia política.

9) CARNEIRO, R., Desenvolvimento em crise: a economia brasileira no último quarto do século XX, Editora Unesp. 2002. Reflete o pensamento predominante na Unicamp. Leitura obrigatória para quem quer fazer mestrado em escolas com ênfase em economia política.

10) CASTRO, A. B. e Souza, F. E. P. A Economia Brasileira em Marcha Forçada. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1985.

11) FILGUEIRAS, L. História do Plano Real: Fundamentos, Impactos e Contradições. São Paulo. Boitempo, 2000

12) FURTADO, C. Formação Econômica do Brasil. São Paulo, Companhia Editora Nacional.

13) GIAMBIAGI, F., VILLELA, A., CASTRO, L.B., HERMAN, J. (org.) – Economia Brasileira Contemporânea: 1945-2004, Editora Campus, 2005. Livro recente, com artigos de Delfim Netto, Gustavo Franco, Edward Amadeo, Regis Bonelli etc.

14) GREMAUD, A. P., SAES, F. A. M. & TONETO JR., R - Formação Econômica do Brasil, São Paulo, Editora Atlas, 1997. Mais voltado para a área de história, atualizando os livros clássicos de Celso Furtado e Caio Prazo Jr. até os anos 80, num texto relativamente conciso, muito adequado para o tipo de exame da ANPEC.

15) GREMAUD, A. P., VASCONCELLOS, M. A. S., e TONETO JR., R. - Economia Brasileira Contemporânea, 7ª edição, Editora Atlas, 2007 (8ª edição no prelo, incluindo 2º. Mandato Governo Lula até 2009). Útil para uma primeira revisão geral, e para não economistas, pois traz conceitos básicos de Macroeconomia aplicados à Economia Brasileira. Abrange até o primeiro mandato do Governo Lula.

16) HENRIQUES, R.(org.). Desigualdade e Pobreza no Brasil. Rio de Janeiro, IPEA, 2000.

17) KON, A. (org.) - Planejamento no Brasil II, São Paulo, Editora Perspectiva, 1999. Reflete principalmente a posição da PUC-SP. Complementa e atualiza Lafer (abaixo), e também apresenta artigos concisos.

18) LAFER, B. M. (org.) - Planejamento no Brasil, São Paulo, Editora Perspectiva, 1970. Cada capítulo é uma síntese concisa dos principais Planos Econômicos até a época (1970), feita por professores da USP, como João Sayad, José Roberto Mendonça de Barros, Roberto Macedo.

19) SIMONSEN, M.H. Inflação: Gradualismo vs. Tratamento de Choque, Rio de Janeiro, APEC, 1970.

20) TAVARES, M. C. Da Substituição de Importação ao Capitalismo Financeiro, Rio de Janeiro, Zahar.

21) TAVARES, M. C. e Fiori, J.L. Desajuste Global e Modernização Conservadora. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1993. Leitura obrigatória para quem quer fazer mestrado em escolas com ênfase em economia política.

22) VERSIANI, F.R. e MENDONÇA DE BARROS, J.R. (orgs.) Formação Econômica do Brasil: a Experiência da Industrialização. Série de Leituras ANPEC, São Paulo, Editora Saraiva

23) VILLELA, A. e SUZIGAN, W. Política do Governo e Crescimento da Economia Brasileira 1889-1945. Rio de Janeiro, IPEA/INPES.

Notas sobre a prova de Economia Brasileira:
a) A prova de Economia Brasileira é dividida em duas partes:
- Parte I- 15 questões objetivas (em forma de testes)
- Parte II- 1 questão discursiva (o candidato escolhe entre cinco temas)

b) Os pesos adotados para Economia Brasileira são diferentes em cada Centro (ver site da ANPEC). A PUC-Rio e a FGV-Rio atribuem peso zero para toda a parte de Economia Brasileira. O IPE atribui peso zero para a prova dissertativa (considera apenas os testes).

c) Tanto em termos de quantidade como de profundidade, costumam ser solicitadas mais questões sobre o período após a 2ª guerra. A tendência á a prova focar cada vez mais o período recente da economia brasileira (década de 90 em diante).

d) Temas que o candidato deve ter firmeza: Planos Estratégicos (Trienal, Metas, PAEG, 2o. PND); Planos de estabilização (Cruzado, Bresser, Collor e Real); crise dos anos 80. Todos estão bem sintetizados (textos curtos) em KON (1999) e LAFER (1970), com exceção do Plano Real, contido em GIAMBIAGI e outros (2004), e GREMAUD e outros (2007).

e) O ideal é estudar a partir das coletâneas de artigos, como ABREU (1989), GIAMBIAGI e outros (2004), KON (1999), LAFER (1970) e BELLUZO e COUTINHO (1982). Embora clássicos, teses como a da Maria Conceição Tavares, João Manoel Cardoso de Mello, e livros como os do Celso Furtado, Carlos Lessa, Barros de Castro & Souza, devem ser estudados mais por aqueles que desejam fazer mestrado em centros onde Economia Brasileira tem grande peso.

f) No Mestrado em Desenvolvimento Econômico da UNICAMP, nas áreas de História Econômica e Economia Social e do Trabalho, considera-se no processo seletivo apenas as duas provas de Economia Brasileira (eliminatória) e de Língua Estrangeira (classificatória). Para mais detalhes, ver o site www.eco.unicamp.br.


HOME | QUEM SOMOS | FALE CONOSCO | LOCALIZAÇÃO